Páginas

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Pra ler....


Hoje no meu quarto, enquanto arrumava alguns livros e separava outros pra doar, achei um livro que li faz mais de um ano eu acho e, ao lembrar da história fiquei com vontade de escrever sobre ela.
O livro do qual falo é "A Menina Que Roubava Livros" ou no original, "The Book Thief". O livro foi publicado em 2006 e escrito pelo australiano Markus Zusak.


Abaixo a imagem da capa do livro publicado aqui no Brasil


Bem, vamos lá. O livro conta a história de Liesel Meminger, uma garotinha de 10 anos que está sendo levada junto com seu irmão para um lar adotivo. No caminho Liesel perde seu irmãozinho caçula e no enterro dele encontra o livro O Manual do Coveiro e o "rouba" por assim dizer.
Ao decorrer da história vemos Liesel crescendo, se adaptando à nova família e roubando mais livros.
Como pano de fundo para a história de Liesel temos a 2ª Guerra Mundial (sim, ela está na Alemanha).
Seu novo pai, Hans Hubermann, foi soldado na 1ª Guerra e, ao perder um grande amigo de batalhas promete à família do soldado que a ajudaria se fosse necessário. Um dia ele se vê obrigado a cumprir essa promessa escondendo o filho de seu amigo, Max, um judeu.
Apesar do grande risco e da dificuldade em se manterem em tempos de guerra os Hubermann acolhem Max com satisfação e o jovem se torna o melhor amigo de Liesel, compartilhando seus sonhos e temores com a menina.

Eu sei, parece uma história até batida, normal. Mas o que mais me chamou a atenção ao ler esse livro foi na verdade a sua narradora: a Morte.
Uma "Dona Morte" diferente de como normalmente é descrita, o tempo todo ela tenta mostrar que não é má, apenas faz seu trabalho. Por algum motivo Liesel chama a atenção da narradora quando esta vai buscar o irmão da garota. Ainda se encontram algumas vezes e então a Morte resolve contar a história da menina.
Um boa característica dessa narradora incomum é que ela é totalmente propensa a dar spoilers como: "Tá vendo aquele cara legal ali que todo mundo adora.... pois é, ele não merecia uma morte tão sofrida e prematura. Mas não é dele que estamos falando agora".
Eu adooooro isso nela, porque afinal, todo mundo sabe como vai acabar uma história que se passa durante a 2ª Guerra Mundial na Alemanha e que é narrada pela Morte.

Apesar da temática pesada e da narradora sinistra a história é bem sensível e tocante. Seja pelo amor que cresce entre o pai adotivo e a garotinha, por Rudy, seu amigo desajeitado que vive lhe pedindo beijos, ou pela amizade que surge entre Liesel e Max e dá forças ao rapaz para enfrentar todas as dificuldades.
O livro é de fato apaixonate!

Algumas imagens que ilustram o livro: (clique nas imagens para ampliá-las)




Pra quem resolver ler esse livro espero que a experiência seja boa porque pra mim foi ótima.
Próximo passo: ler "Eu Sou o Mensageiro" do mesmo autor.

Aqui um pequeno vídeo que promocional do livro.

Ah, sim! Diz a lenda que vai haver um filme em 2010 (o que é até possivel já que hoje em dia fazem filme de tudo), mas por hora tudo que existe são só boatos de que a Fox comprou os direitos autorais do livro e uns trailers fakes no youtube. Mas quem sabe né.